Amigos Bolachudos

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Destralhar a casa - e a própria vida!

Para eu me sentir bem numa casa, não preciso de uma decoração moderna, materiais sofisticados, mobília nova ou acabamentos chiques. Até pode ter tudo isso, mas não chega.

Preciso de sentir o cheirinho a bolo ou batatinhas assadas, de ouvir os risos de crianças ou o som da máquina da roupa... Preciso de paz, conforto, simplicidade e boa energia.

E a boa energia não se consegue se guardarmos o que já não se usa e o que não é nosso.

Por exemplo:

- exames clínicos (antigos e muito provavelmente desatualizados) do meu ex marido
- papelada da pós graduação do meu ex marido
- apontamentos do mestrado do meu ex marido (que já está em fase de doutoramento)
- cenas diversas do meu ex marido, basicamente, papelada

 A FAZER: colocar tudo numa caixinha e entregar ao proprietário

Mais coisas:

- aliança de casamento
- anel de noivado
- álbum fotográfico de casamento
- vestido de casamento e outros adereços
- joias diversas
- bouquet com 21 rosas brancas (já secas) - foi oferecido pelo noivo na noite de núpcias e em honra do dia em que nos casámos

A FAZER: pois... não sei... quer mantenha esta tralha para dar às minhas filhas, quer a deite fora ou venda ou o diabo-a-sete, a verdade é que não me incomoda muito. 

Já o bouquet... Devia deitá-lo fora, não é?

Deito? DEITO???

6 comentários:

Sweet68 disse...

Pois amiga, nem sei o que te diga porque nunca estive no teu lugar. A frio, diria para manteres as coisas valiosas (aliança, joias...), quanto mais não seja, fazes dinheiro delas.

As coisas que têm memórias afetivas e que não sabes se as tuas filhas as vão querer, se fosse eu, acho que as guardava num sítio longe de mim, tipo em casa dos meus pais, até elas decidirem se as querem ou não. Penso que para elas pelo menos o álbum de casamento terá bastante valor.
De qualquer modo, essas coisas fora da tua casa é que vão ficar bem. Beijo

CS disse...

Isso é um dilema complicado. Nunca passei por isso, mas talvez pusesse tudo dentro de uma caixa e guardasse em casa dos meus pais ou num cantinho da garagem ou sotão até decidir.
Beijinhos

Maria XL disse...

Se te doi olhar para as rosas, livra-te delas. Por outro lado, representam uma fase bonita e colorida. Mete tudo dentro de uma caixa no fundo do armário :)
Não sei... faz o que te manda o coração :)

Só comigo disse...

Mete num sítio escondido. Já me divorciei (ok, n me casei mas vivi junta) e tenho muita coisa guardada. Nem sei onde, mas tenho.

Miss Betterme disse...

Quanto às rosas, se fores religiosa, que tal colocares no altar de uma capelinha? É uma forma de despedida, de deixares para trás algo que foi lindo e acabou e abrires-te a tudo de bom que a vida ainda tem para te oferecer. O que importa é que o faças com o coração aberto e sem mágoas. Eu não sou a favor de guardar esse tipos de coisas como recordação. O passado é passado e para recordar temos as fotografias, não achas?
Bjs

EMLA disse...

Na minha opinião deves desfazer-te de tudo. Para quê estares a guardar as coisas?
Manda fora o buquet, tenta vender o vestido no OLX. A aliança e o anel de noivado vendidos, vão render uns trocos que podes gastar com as tuas filhas agora.
Sei que isto pode soar muito frio, mas também já passei pelo mesmo e sinceramente todas essas coisas, na nova vida que tens não são mais do que tralha.